• Nelson Melo

24º BIS conduz instrução para atiradores em três cidades maranhenses

Um antigo provérbio latino diz o seguinte: “Si vis pacem para bellum”. Traduzindo, a expressão quer dizer "se queres a paz, prepara-te para a guerra". Os Tiros de Guerra (TG), como são conhecidos, vivenciam isso na prática. Trata-se de uma experiência produtiva e eficiente entre o Exército Brasileiro e a sociedade brasileira. Sendo assim, muitos cidadãos brasileiros que ingressam nas fileiras do Exército anualmente têm a oportunidade de prestar, de alguma forma, um serviço à Pátria. Esses jovens atiradores, recentemente, receberam instrução de militares do 24º Batalhão de Infantaria de Selva (24º BIS), sediado em São Luís/MA. A formação ocorreu em três cidades maranhenses.




De acordo com informações transmitidas pelo 24º BIS, a Instrução Preparatória para o Tiro (IPT) aconteceu no período compreendido entre os dias 17 e 21 de agosto deste ano, quando participou ativamente da formação dos Atiradores dos Tiros de Guerra (TG), nos municípios maranhenses de Codó, Caxias e Pedreiras. Durante o curso, os militares do Batalhão Barão de Caxias realizaram o Tiro de Instrução Básico (TIB) para os jovens atiradores, nas referidas cidades.




Como pontuou o 24º Batalhão de Infantaria de Selva, que tem como comandante o coronel Sousa Filho, esses jovens puderam vivenciar suas primeiras experiências do tiro real com o fuzil ParaFAL, de calibre 7,62 mm. “Após o TIB, foi realizada uma competição de tiro ao alvo, que teve grande simbolismo para os atiradores, pois relembrou o ano de 1902, quando Antonio Carlos Lopes fundou, na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, uma sociedade de tiro ao alvo, que deu origem aos Tiros de Guerra”, explicou a instituição das Forças Armadas.




Ainda conforme o Batalhão Barão de Caxias, os TG permitem, de forma criativa, inteligente e econômica, proporcionar a milhares de jovens brasileiros, principalmente aqueles que residem em cidades do interior, a oportunidade de contribuir para a defesa da Pátria.




Importância de Antonio Carlos Lopes

Segundo o Comando da 10ª Região Militar, o farmacêutico Antonio Carlos Lopes, seguindo o exemplo da Suíça, onde o civil recebe instrução de tiro e guarda em casa uma arma, para atender a uma possível convocação militar, fundou, em 1902, na cidade do Rio Grande (RS), uma Sociedade de Propaganda do Tiro Brasileiro. Esta entidade era voltada para a prática de tiro ao alvo por cidadãos, colocando-se, nesse contexto, como uma alternativa para a defesa do País.

Em 1906, segundo o Comando da 10ª Região Militar, foi criada a Confederação do Tiro Brasileiro, pelo marechal Hermes da Fonseca. A entidade reunia o Tiro Nacional (RJ), a proposta de Antonio Lopes e as sociedades de tiro ao alvo que existiam na Região Sul do Brasil e que foram criadas por grupos de imigrantes europeus, que trouxeram o esporte da caça para o território brasileiro. Convém ressaltar, inclusive, que o farmacêutico foi o primeiro diretor da referida confederação.


61 visualizações

© 2019 por Nelson Melo.