• Nelson Melo

Conduta de Dom Quixote em contexto de violência em São Luís será tema de live

Do século XVII para o século XXI, aparentemente, muita coisa mudou, sobretudo no que se refere à tecnologia. No entanto, em se tratando de outros aspectos, a situação seria imutável, mas somente quando a referência é a questão arquetípica, isto é, fenômenos sociais que sobrevivem ao tempo e são transmitidos de geração a geração, apesar da variabilidade de culturas no planeta. Em termos míticos, Dom Quixote de La Mancha, por exemplo, continua existindo no comportamento humano. Sobre esse tema, irei fazer uma live no próximo sábado (15), às 19h, no meu instagram, adaptando a conduta desse personagem ao contexto de violência urbana em São Luís/MA.

Escolhi esse tema por vários motivos, dentre os quais a pesquisa que faço acerca da guerra urbana no Maranhão. O confronto entre facções criminosas é um dos itens desse meu estudo, que inclui, ainda, a ausência de políticas públicas nos bairros nos quais há presença de integrantes dessas organizações do crime organizado. Atualmente, o cenário na capital maranhense é bastante complexo, tanto nas ruas como no ambiente intramuros. No espaço público, por exemplo, um grupo denominado “Família Ribamarense” (RBM) se formou a partir de uma cisão dentro do Primeiro Comando da Capital (PCC), que perdeu força na Grande Ilha (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa).

A obra de Miguel de Cervantes pode ser adaptada para qualquer situação do cotidiano

Eu não considero a RBM uma facção, porque não se enquadra nos critérios que a Antropologia e o Direito Penal selecionaram para essa categoria referente à violência. No Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, a antiga gangue Anjos da Morte (ADM) “ressuscitou” e está fazendo uma espécie de aliança com o Comando Vermelho (CV), mas o relacionamento entre os dois grupos está por um fio. Todo esse panorama mostra como os delírios e as alucinações, tão estudados na Psiquiatria e Psicologia, não são eventos vinculados somente ao cérebro. Em outras palavras, significam que são reflexos da forma como o ser humano se desloca espacialmente, emocionalmente e socialmente.

Dom Quixote era considerado uma pessoa normal, dentro dos padrões civilizatórios. Mas, como resultado do seu vício em leituras de romances de cavalaria, perdeu a noção da realidade e passou a se comportar como alguém dissociado da sua própria vivência como fidalgo. O desejo dele se tornou sua fantasia, do ponto de vista psicanalítico. Em São Luís, os faccionados imaginam lutar contra "monstros", representados pelos seus rivais, e, nessa “loucura”, sentem prazer ao capturarem o inimigo ou ao trocarem tiros com as forças policiais. A ideia de “vida loka”, nesse sentido, é o caminho para a morte por negarem a veracidade de uma alternativa que os levaria a uma vida digna.


A violência urbana em São Luís é reflexo da insanidade em uma sociedade fragmentada

Eu gosto de adaptar obras literárias não apenas ao assunto da criminalidade, como, também, a outros, como a vida saudável, estética, vaidade, alimentação, mercado, emprego, moda, casamento, amizade, ontologia, dentre outros. Então, eu os convido a assistirem à live, que será transmitida no meu instagram (@nelsonchagas.melocosta), às 19h, no próximo sábado.

25 visualizações

© 2019 por Nelson Melo.