• Nelson Melo

Curso sobre análise da conduta criminosa está com inscrições abertas

Roy Hazelwood, ex-criador de perfis criminais do FBI que faleceu em 2016, disse que o crime nada mais é que um comportamento. Ele comentou isso em uma entrevista concedida a Paul Roland, autor do livro “Por dentro das mentes assassinas: a história dos perfis criminosos”, que tenho na minha biblioteca. Para a Criminologia, essa conduta não se limita apenas à esfera penal, uma vez que possui múltiplas explicações, que abrangem vários aspectos, incluindo o familiar, a predisposição genética e falta de investimentos públicos. A criminóloga, professora e psicóloga Cláudia Pádua fará um curso on-line sobre esse assunto.




O curso custa R$ 100 e abordará vários tópicos referentes à conduta criminosa

O curso, intitulado “Os desafios do comportamento criminoso”, será realizado no dia 26 de setembro, das 16h às 18h, de maneira virtual, devido à pandemia da Covid-19. O evento, que é promovido pelo Instituto Nacional de Perícias e Ciências Forenses (Infor/MA), custa R$ 100, sendo que as inscrições estão abertas. Serão abordados vários tópicos referentes à conduta dos delinquentes, como personalidade, transgressão, agressividade, caminhos do crime e distúrbios. Além de outros, como neuroanatomia e classificação.


Os interessados em se inscrever no curso podem acessar o seguinte link: https://doity.com.br/comportamentocriminoso. Os números para contato são o (98) 8154-1094 e (98) 8848-3170, respectivamente, de Marco Simões Júnior e Tânia Lígia, coordenadores do Infor/MA. Importante dizer que Cláudia Pádua é reconhecida internacionalmente. Ela é escritora, analista de Inteligência Criminal e palestrante. A psicóloga já esteve várias vezes na capital maranhense, onde ministrou cursos no Instituto Nacional de Perícias e Ciências Forenses, que fica na Rua do Outeiro, s/n, Edifício Orlando Araújo, Centro, por trás do Hospital Português.




Cláudia Pádua é conhecida mundialmente e já ministrou cursos em São Luís pelo Infor/MA


Importante dizer que o Infor/MA é uma instituição com grande prestígio. Naquele instituto, estou fazendo minha pós-graduação em Perícia Criminal, faltando apenas entregar meu artigo científico.


Comportamento do faccionado


Como pesquisador da área criminal, eu sou fascinado pelo tema, embora o meu estudo seja mais voltado para o comportamento dos membros de facções criminosas. Em minhas atividades de campo, descobri que a “vida loka” é uma espécie de sensação que os rapazes e moças dizem vivenciar, como se fosse a motivação interna para a prática de delitos. Claro que isso é algo abstrato, pois é apenas uma ideia. Porém, essa “ideologia” movimenta os conflitos existenciais tanto dentro como fora dos presídios. Nas “quebradas”, o tom de agressividade completa esse ciclo.


Psicologicamente, os faccionados não se sentem representados pelo Estado (enquanto instituição) e criam um “estado paralelo”, com normas que, popularmente, são conhecidas como “leis do cão”. Os “tribunais do crime” apenas validam esses pensamentos desviantes. Esse comportamento, dentro do crime organizado, está diretamente relacionado ao conceito de grupo, porque, isoladamente, esses delinquentes se sentem vulneráveis, tendo em vista que podem ser atacados facilmente pelo “alemão” nessa guerra urbana.




Exemplares do meu segundo livro podem ser adquiridos na Livraria Amei por R$ 30


A conduta do faccionado possui algumas diferenças em comparação a outros tipos de bandidos. Para entender como funciona a mente dos membros de organizações criminosas, não basta apenas individualizar, pois o que é de um, também é do grupo. Antropologicamente, essa realidade possui um aspecto que foge à compreensão tradicional sobre o comportamento desviante. Eu descrevo essas situações nos meus dois livros: “Guerra urbana – morrendo pela vida loka” e “Guerra urbana – o homem vida loka”, que custam R$ 30.


Os interessados nos meus dois livros sobre o crime organizado no Maranhão podem entrar em contato comigo pelo WhatsApp: (98) 99162-7919. Há exemplares de “Guerra urbana – o homem vida loka” na Livraria e Espaço Cultural AMEI, que fica no São Luís Shopping, na capital maranhense. Atualmente, estou escrevendo um romance policial ambientado em São Luís/MA.

62 visualizações

© 2019 por Nelson Melo.