• Nelson Melo

Cursos sobre criminal profiling e psicologia investigativa estão com inscrições abertas

No início deste ano, comprei um livro que me ajudou bastante na pesquisa que faço acerca das facções criminosas que disputam territórios no Estado do Maranhão. A obra “Por dentro das mentes assassinas: a história dos perfis criminosos”, de Paul Roland, inclusive, ganhou elogios de ninguém mais que Roy Hazelwood, ex-criador de perfis do FBI e autor de “The Evil that Men do”. Hazelwood, assim como John Douglas e outros, foi essencial para a identificação do tipo de pessoa provavelmente responsável por determinada ação. Esse tema, que me fascina, será abordado em dois cursos on-line e ao vivo promovidos pela professora doutora Aline Lobato, sendo que as inscrições já estão abertas.




Os dois cursos on-line e ao vivo serão ministrados pela professora doutora Aline Lobato




De acordo com informações divulgadas pela professora Aline Lobato nas redes sociais, o primeiro curso, intitulado “Criminal Profiling”, ocorrerá entre os dias 7 e 10 de dezembro, sendo que serão abordados diversos assuntos relacionados ao tema, como Psicologia na análise do comportamento criminal, Psicologia Jurídica, Psicologia Forense, Psicologia Penitenciária, cena do crime e o perfil dos criminosos. Além disso, a palestrante, que é mestre e doutora em Psicologia Investigativa pela Universidade de Liverpool (Inglaterra), comentará sobre o que é verdade ou mentira com relação à temática, descrevendo, por exemplo, determinadas tipologias e técnicas do FBI.





Importante dizer que o estudo do perfil de infratores da lei foi, em grande parte, mas não exclusivamente, desenvolvimento pela Unidade de Ciência Comportamental (UCC) em Quantico, na Virgínia. Isso ocorreu no final da década de 1970 e meados de 1980. O sucesso foi tão grande que, de acordo com Russell Vorpagel, autor de “Profiles in Murder”, os criadores de perfis da UCC conseguiram em torno de 92% de acerto por ano nos Estados Unidos, no período de 1978 a 1994. Convém ressaltar que Vorpagel trabalhou como agente especial do FBI. Ele descreveu o processo de traçar o perfil criminal como sendo uma “autópsia psicológica”. O profissional ainda comparou o perfil como um quadro impressionista composto de inúmeras pinceladas, “nenhuma das quais com um significado especial se vista de forma isolada, mas que, quando vistas em seu conjunto, criam uma pintura significativa”.




O experiente agente John Douglas foi chefe da Unidade de Apoio Investigativo do FBI




Detalhes do Curso 2





A professora doutora Aline Lobato, com toda a sua experiência profissional e na pesquisa, também promoverá o segundo curso, intitulado “Psicologia Investigativa”, que será ministrado entre os dias 14 e 17 de dezembro. Na ocasião, a palestrante abordará vários assuntos, como psicopatologia forense e comportamento criminal, mentes criminosas, Teoria da Fantasia (FBI), narrativas do crime e vitimologia. Sobre esse último ponto, ela explicará, dentre outras observações, sobre a avaliação de risco e o perfil psicológico, sempre oferecendo definições e classificações, a fim de facilitar a compreensão dos inscritos.





O livro que tenho na minha biblioteca me ajudou na pesquisa que faço em São Luís/MA




Ademais, a professora também mencionará sobre sequestro e negociação, abordando os mecanismos psíquicos envolvidos nessas questões. A carga horária total dos cursos é de 40 horas. O certificado será on-line e será liberado no último dia do curso. As vagas são limitadas. O pagamento poderá ser feito no cartão, sendo dividido em duas vezes, ou à vista, a partir de transferência ou depósito bancário. Os interessados podem buscar mais informações no seguinte site: WWW.aline-lobato-cursos.com.br. Ou por meio do WhatsApp: (83) 99908-0607/ (83) 99641-0820.



34 visualizações0 comentário

© 2019 por Nelson Melo.