• Nelson Melo

Farmacêutica que trabalha em São Luís destaca seu amor à profissão

Em 5 de setembro de 1953, foi realizada a primeira convenção dos oficiais de farmácia, na Biblioteca Municipal de São Paulo. Em decorrência do referido evento, foi instituído o “Dia do Oficial de Farmácia”, uma das profissões mais antigas do mundo, embora eu não saiba se na época de Aquiles e Odisseus esse campo de atuação já estava consolidado, uma vez que Homero não forneceu nenhuma pista sobre isso. Esse profissional trabalha, dependendo da situação, como auxiliar do farmacêutico, que o supervisiona. Por esse motivo, conversei com a farmacêutica Elcynez Campos Silva, que contou um pouco sobre a rotina diária em sua área de formação acadêmica.





Elcynez Campos Silva se dedica de corpo e alma ao trabalho porque ama o que faz


De acordo com Elcynez, que é graduada em Farmácia pela Faculdade Pitágoras, os farmacêuticos são profissionais da saúde que possuem uma tradição milenar. É bem antiga mesmo, pois, no século X, os “boticários” iniciaram suas atividades no ramo, que, naquela época, não era reconhecido ainda como uma profissão. Os conhecidos “apotecários”, por exemplo, faziam o reconhecimento das enfermidades, sendo que exerciam a função em lugares específicos, por conta da necessidade de preparar remédios, assim como para armazená-los.


“Os farmacêuticos são os sucessores dos ‘boticários’ e ‘apotecários’ e são responsáveis por toda a cadeia produtiva do medicamento, desde a produção industrial até o paciente como consumidor final, assegurando o uso seguro, racional e efetivo desses medicamentos”, explicou ela, que é pós-graduada em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica. Importante dizer que em 1777 o rei francês deliberou a alteração dos termos “boticários” e “apotecários” para farmacêutico. Em virtude disso, houve a separação daquele ramo com relação à Medicina.


Como resultado dessa alteração, ficou determinado que um médico não poderia mais ser dono de botica, estabelecimento que, no decorrer do tempo, deu origem às farmácias e aos laboratórios industriais do ramo. “A profissão requer amor, atenção e carinho. O profissional é capaz de traduzir ou sentir aquela dor do paciente que chega aos locais, transformando a dor em cura por meio dos medicamentos”, expressou Elcynez Campos Silva, farmacêutica RT da Solo Medicamentos, que fica no Recanto dos Vinhais, na capital maranhense. A entrevistada, convém ressaltar, nasceu em Brasília, no Distrito Federal, mas mora em São Luís/MA.




A aquarela de Jean Baptiste Debret retrata um pouco a história da farmácia no Brasil


Elcynez, durante a entrevista, frisou que adora a profissão. Essa paixão começou na vida dela desde a adolescência, uma vez que ela amava as aulas de Química e Biologia. “Logo depois, consegui ingressar no curso de Farmácia. Eu amo os medicamentos, adoro cuidar deles e cuidar do paciente que chega até nós com a receita. Eu gosto muito de lidar com o público, de conversar, de ajudar o próximo, que sempre chega para pedir orientação. Eu agradeço a Deus todos os dias por exercer essa maravilhosa profissão”, comentou a entrevistada.


Dia do Oficial de Farmácia

Os farmacêuticos trabalham em conjunto com os oficiais de farmácia em muitas ocasiões, o que mantém a vida de muita gente, diariamente, devido à demanda. Nessa época da pandemia da Covid-19, então, nem se fala. Para atuar como auxiliar do profissional graduado, é necessário ter formação especializada na área. Inclusive, os órgãos federais certificam escolas que oferecem cursos específicos para que essas pessoas possam exercer a função de técnicos.




O dia 5 de setembro é dedicado à celebração ao oficial de farmácia em todo o Brasil


A data em homenagem a esses profissionais foi instituída pela Lei nº 5.157/1966. O trabalho deles é supervisionado pelo farmacêutico. Inclusive, o Conselho Regional de Farmácia avalia o período de estudo desses técnicos, assim como o certificado que recebem, para que a inscrição do oficial na região de atuação possa ser realizada. O convívio de quem participa dessa cadeia envolvendo os medicamentos é importante para a população, tendo em vista que o objetivo é promover o bem-estar coletivo por meio da manutenção da saúde, direito fundamental previsto na Constituição Federal (CF).

50 visualizações

© 2019 por Nelson Melo.